16/06/2004

Homenagem: Ao Dom Apparecido, o nosso muito obrigado

Ao companheiro, irmão, amigo, nosso profundo reconhecimento pelo muito que representa para o Cimi, para a luta dos povos indígenas no Brasil.


Abraçando a Causa do Reino, assumiu as lutas de todos os oprimidos. Assim caminhou lado a lado com todos: indígenas, quilombolas, sem terra, atingidos por barragens, excluídos no campo e na cidade.


Durante oito anos (1991 a 1999) exerceu a função de presidente do Cimi. No início de seu segundo mandato foi nomeado bispo da Diocese de Roraima, reforçando ainda mais seus laços de compromisso com os povos indígenas. Dando continuidade ao trabalho de D. Aldo Mongiano assumiu a bandeira da homologação da terra indígena Raposa Serra do Sol, atual símbolo das lutas indígenas no país.


Permanecerá sempre em nossas vidas o seu Testemunho.


Para ele, que sempre se lançou para além das fronteiras, dedicamos o poema que segue, de autoria de Pedro Casaldáliga.



Eu irei até às fronteiras



Eu irei até às fronteiras,
Para nunca mais voltar
Como era, como sou.



Para nunca mais sentir-me
Um normal filho de casa,
Se algum dia regressar,
Se talvez me regressarem.



De uma clara vez por todas
Eu já terei descoberto,
Como impostas, as fronteiras
E a Terra Nova, vedada.



Voltarei, grandes os olhos,
Porque passei o horizonte.
E o coração requerido
Pela Presença do Ausente
Com Quem vivi mais liberto.


Apparecido José Dias
(1931-2004)







Compartilhar: