08/02/2018

Indígenas Xavante voltam ao cenário de lutas pelos seus direitos

O despertar desse povo para a luta pelos seus direitos se deve em grande parte ao processo das Assembleias Indígenas que começaram acontecer a partir de abril de 1974

Por Egon Heck, do Secretariado Nacional – Cimi

O processo de luta dos povos indígenas do Brasil, a partir da década de 70, teve como protagonistas importantes os índios Xavante, do Mato Grosso. O despertar desse povo para a luta pelos seus direitos se deve em grande parte ao processo das Assembleias Indígenas que começaram acontecer a partir de abril de 1974.

No bojo desse movimento indígena emergente, surgiu uma promissora dinâmica de visitas e gestos de solidariedade entre os povos originários no Brasil. Estava no porão da casa paroquial de Xanxerê quando chegaram um indígena Bororo e um Xavante, enviados pela Assembleia Indígena, para conhecer de perto o sofrimento, violências, invasões das terras e roubo dos recursos naturais, principalmente dos povos indígenas do sul do país e do Mato Grosso do Sul. Era outubro de 1975.

Estava em curso um novo momento em que a emergência e luta pelos direitos dos povos indígenas dando visibilidade às violências e negação de direitos dos povos originários, que estavam condenados ao extermínio, com prazos e datas marcadas pelos seus algozes, as elites genocidas deste período. E os maiores protagonistas dessa resistência e luta foram sem dúvida os Xavante.

Diante do que viram e sentiram, os dois Xavante e o Bororo, após a visita, solicitaram a defesa de suas terras contra qualquer tipo de invasão. E se precisassem era só mandar um recado que eles desceriam com  500 guerreiros Xavante para ajudá-los.

Lideranças Xavante como Aniceto, que foi o porta voz dos povos indígenas no momento em que foi pedido ao então presidente Geisel que fosse rasgado o projeto da Emancipação, que  na verdade era a liberação das terras indígenas para o latifúndio, tiveram um papel de destaque nas lutas dos povos indígenas do Brasil. Também teve destaque a eleição de Mario Juruna Xavante, por ser o primeiro indígena eleito deputado federal.

Vejamos um relato de José Tsonopré, de São Marcos: “Em 1972, uma vez fomos na casa de intruso. Mandamos retirar os materiais dele para fora de casa. Ele chegou e reuniu  os empregados dele pra atacar nós. Depois disso os índios quase não parava em casa. Todo o dia vigiando a reserva. Então eles viam o pessoal nosso reunidos em armas. Nós mesmos limpamos, engraxamos rifles e vigiamos a noite inteira até amanhecer. Com o medo que eles tem, voltaram atrás. Então fazendeiro arrumou metralhadora. Nós fomos a Cuiabá, avisamos delegado. Então a polícia cercou a fazenda e tirou tudo. Não aconteceu briga e eles  saíram. Para a defesa de nossa área devemos ser unido. Unido resolve mais fácil”. (Boletim do Cimi n. 24, outubro/dezembro 1975)

E a solidariedade do povo Xavante a outros parentes pelo Brasil afora foi se multiplicando na medida em que as situações de violência e exploração foram sendo visibilizadas.

Mario Juruva Xavante, único deputado federal indígena eleito na historia, foi também visitar os índios do Mato Grosso do Sul. Ficou indignado e escreveu um relatório, nos seguintes termos:

“Eu Mario Juruna chefe da comunidade  Xavante da aldeia de Namucurá, no Norte do  Mato Grosso, vim visitar os índios que moram no sul do Mato Grosso para ver como  que eles estão vivendo, se estão sendo ajudado e que problemas eles estão passando.

No dia 27 de novembro d (1979)  visitei os índios Kaiowá liderados pelo “capitão”   Lidio, que moram  na fazenda Mate Laranjeiras, e fiquei muito triste de ver a pobreza que eles estão vivendo. Eles vivem preso que nem gado em piquete, na entrada  da fazenda o gerente colocou cadeado, assim ninguém visitar índio, nem Funai, nem pessoal da igreja, nem imprensa, assim ninguém vê  que índio tá vivendo como verdadeiro escravo…

Depois  fui visitar mais índio Kaiowá que mora na terra ocupada pela fazenda. Paraguassu. E fiquei mais triste com dor no coração de ver bastante famílias de índios vivendo pela beira das estradas nas terra da fazenda, que nem escravos vivendo com as crianças em barraquinha coberta de capim, com plástico preto, que nem mendigo favelado que eu vi em São Paulo e no Rio de Janeiro”. O trecho foi transcrito do relatório manuscrito. Dourados 29 de novembro de 1979)

Na década de 70 e 80 os Xavante protagonizaram lutas expressivas de conquista de seus direitos, especialmente seus territórios. Por diversas vezes derrubaram presidentes da Funai e funcionários indesejados. Tiveram participação importante nas lutas coletivas e no movimento pan indígena das décadas de 70 e 80.

A recente luta de Marawatsede trouxe de volta o brio e a coragem guerreira deste povo. Agora os Xavante de Parabubure estarão novamente trazendo a luta dessa comunidade pela sua terra.

A vitória será um alento e esperança para os povos indígenas no início de mais um ano.

Compartilhar:
Tags: