Português English

MPF/MT recomenda à Funai realização de estudos para identificação de demandas da etnia Bororo

Inserido por: Administrador em 05/07/2017.
Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação Ministério Público Federal


Foto: Paulo Suess / Cimi

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT), por meio da sua unidade em Barra do Garças, expediu recomendação à Fundação Nacional do Índio (Funai) em Cuiabá para que realize um diagnóstico econômico e social da Terra Indígena (TI) Merure, da etnia Bororo.

Para o diagnóstico, a Funai deverá promover um estudo antropológico, social, econômico e outros com o fim de identificar as principais demandas, atividades de produção e necessidades para o desenvolvimento sustentável da TI Merure. Esse estudo deverá fazer correlação com a história, a cultura e a dinâmica social da comunidade, inclusive com análise da monetarização da terra indígena e substituição de hábitos produtivos por aquisição de bens.

Um inquérito civil público já havia sido instaurado com o objetivo de apurar a situação social da TI Merure e os problemas de alcoolismo entre membros da etnia Bororo.

De acordo com o procurador da República Rafael Guimarães Nogueira, responsável pela recomendação, a população indígena Bororo da TI Merure necessita de atenção especial, uma vez que há indícios fortes de que a comunidade enfrenta problemas de alcoolismo e de sustento, o que acarreta outros problemas.

“Entre os vários problemas, há recentes registros de protestos e trancamentos da rodovia BR-070, motivados em grande parte - segundo os indígenas - pelas condições precárias em que se encontram parte da população Bororo da TI Merure”, explica a procurador Rafael.

O procurador afirma também que esse estado de miserabilidade, que não deve se relacionar com o modo de vida das populações indígenas, mas sim com as necessidades básicas que a convivência com o homem branco acaba por demandar, contribui para que os indígenas sejam vítimas do alcoolismo e outros males sociais.

“O combate ao alcoolismo e a esses males sociais passam necessariamente pela adoção de uma política que possibilite o desenvolvimento autossustentável pela população indígena Bororo, garantindo assim uma melhor qualidade de vida aos indígenas sem, no entanto, agredirem seus costumes e tradições”, conclui Rafael.

Dessa forma, a Funai, que possuiu em seu quadro profissional servidores experientes na área de antropologia, deverá realizar o levantamento de dados em benefício dos Bororos da TI Merure.

Notícias

Mobilização Munduruku segue para Alta Floresta (MT)

A ocupação do canteiro de obras da Usina Hidrelétrica São Manoel feita pelo povo Munduruku e liderada pelas mulheres da etnia encerrou na noite da última quarta-feira, 19, após reunião realizada entre...

Dom Roque Paloschi: Brasil tenta desfazer as proteções aos povos indígenas

Desde que o presidente do Brasil, Michel Temer, assumiu o cargo em 31 de agosto, ele se cercou de ministros com fortes vínculos com os pecuaristas e agricultores de soja, que se opõem às medidas...

Em Brasília, delegação dos povos Pataxó, Tupinambá e Kaingang cobra melhorias nas políticas indígenas

No segundo dia de agenda das delegações dos povos Pataxó, Tupinambá e Kaingang, em Brasília, lideranças apresentaram suas reivindicações no Ministério da Justiça, na Comissão de Direitos Humanos do...

O Supremo e a (não) demarcação de terras indígenas

Na última semana (22/06), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmen Lúcia, recebeu uma delegação de mulheres e crianças Guarani-Kaiowá que descreveram o quadro de fome e...

Nota do Cimi Rondônia sobre o assassinato do indígena Manoel Quintino da Silva

Diante desta conjuntura de violação dos direitos e de impunidade uma vida mais é ceifada. Manoel Quintino da Silva Kaxarari (40) foi assassinado na última segunda-feira, dia 26/06, na Vila Marmelo,

Total de Resultados: 199

Página atual: 1 de 40

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv