Português English

Nota Pública sobre Relatório Preliminar da CPI do Cimi

Inserido por: Administrador em 05/05/2016.
Fonte da notícia: Conselho Indigenista Missionário - Cimi


Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 14, 6)


O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) repudia com veemência o inteiro teor do relatório preliminar da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cimi, apresentado pelo Deputado Paulo Correa, na tarde desta quarta-feira, 04, na Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul.

Repleto de acusações e difamações requentadas e totalmente desprovidas de provas, eivado de opiniões pessoais e de classe, feito aos moldes dos interesses ruralistas, o relatório assemelha-se a um discurso político feito por candidato aos seus pares em período de campanha eleitoral.

Consideramos que o conteúdo do relatório preliminar mostra-se inteiramente fantasioso na identificação dos reais motivos e da origem dos conflitos fundiários envolvendo os povos indígenas e latifundiários do estado do Mato Grosso do Sul e completamente ineficaz no que tange à proposição de soluções efetivas para tema.

Lamentamos o tom desrespeitoso e grosseiro usado no relatório relativamente aos povos indígenas, à Igreja Católica, aos missionários que atuam junto aos povos no Mato Grosso do Sul e ao Cimi.

O Cimi reitera seu pleno compromisso e respeito com o Evangelho da Vida, com os povos originários, com a Constituição Federal e todas as normas legais vigentes no Brasil.

Mesmo perseguidos, difamados e criminalizados, continuaremos ouvindo e seguindo Jesus na voz e na caminhada dos povos indígenas do Mato Grosso do Sul.


Conselho Indigenista Missionário

Brasília, DF, 05 de maio de 2016

Publicações

As Violências Contra os Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul

Áudio

Cimi lança relatório de violência em Comissão de Meio Ambiente da Câmara durante semana de mobilizações


Missão Ecumênica realiza ações em Mato Grosso do Sul em defesa dos povos indígenas e pedindo a CPI do Genocídio

Galeria de imagens

Galeria de Vídeos

Vídeo mostra situação de acampamentos Kaiowá Guarani

No Brasil

Cerca de 7 mil indígenas ocuparam ruas e rodovias de 13 estados contra o marco temporal

As ações fizeram parte da campanha Nossa História Não Começa em 1988! #MarcoTemporalNão! em vista de votações de matérias no STF envolvendo a tese do marco temporal

Após vitória, indígenas exigem que Temer respeite decisões do STF e revogue parecer sobre demarcações

Indígenas exigem a revogação do Parecer 2017/01 da AGU, que contraria STF ao obrigar órgãos do Executivo a adotarem os parâmetros do caso Raposa Serra do Sol

“Nós já estamos morrendo através do marco temporal”

No Dia Internacional dos Povos Indígenas, Guarani e Kaiowá entraram a noite com uma grande reza em frente ao STF

Indígenas, juristas e antropólogos unem vozes contra o marco temporal

Audiência pública no Senado Federal e ato-debate na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) reuniram falas importantes na defesa do direito originário dos povos indígenas aos seus...

Dia Internacional dos Povos Indígenas: passa o tempo, persiste o genocídio – por Egon Heck

Para os povos indígenas, o que os fatos narram é um constante genocídio. Desde a usurpação da América, o que contam as ocorrências é uma realidade de perseguição e mortandade.

Total de Resultados: 629

Página atual: 1 de 126

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv