Português English

Conselho do Cimi destaca as questões do Bem Viver

Inserido por: Administrador em 09/09/2010.
Fonte da notícia: Cimi

Grupo esteve reunido entre os dias 7 e 9 deste mês e também avaliou positivamente as mobilizações indígenas realizadas durante o mês de agosto

 

Os membros do Conselho do Cimi discutiram, em reunião extraordinária realizada no decorrer desta semana, os rumos da conjutura indigenista neste período eleitoral. Na pauta ainda estiveram questões como as relações de Bem Viver dos povos indígenas, a importância da formação política e as mobilizações contra os grandes projetos do governo federal e a favor da garantia de direitos destes povos, realizadas durante o mês de agosto.

 

Como pano de fundo para a discussão acerca da conjuntura indigenista, Roberto Liebgott, vice-presidente do Cimi, fez uma breve reflexão sobre o atual contexto em que se insere o movimento indígena, sobre as escolhas do Estado brasileiro em relação aos direitos desses povos e também sobre as grandes obras que impactam diretamente suas formas de Bem Viver.

 

Já o secretário adjunto da entidade, Cléber Buzatto, destacou que as questões relacionadas a execução orçamentária refletem, mais que incapacidades, as opções políticas do governo brasileiro. “Alguns dados são desastrosos, como os recursos destinados e executados para a demarcação de terras indígenas. Do total destinado foram gastos apenas 2,6 milhões de reais”, afirmou.

 

Também foram analisados os gastos relacionados à educação e saúde. Como referência, foram avaliados os valores aplicados em obras de saneamento básico. Um montante de R$ 50 milhões foi liberado para investimento em melhorias nas comunidades indígenas, no entanto, somente pouco mais de um milhão foi gasto em oito meses de execução orçamentária.

 

O secretário executivo do Cimi, Eden Magalhães, chamou atenção para outra questão: a das grandes hidrelétricas, como a de Belo Monte, e a conivência da Fundação Nacional do Índio (Funai) para com estas situações. “Em relação à Belo Monte, é importante destacar que o presidente da Funai é um dos responsáveis pela liberação da obra em detrimento dos povos indígenas. Ele é uma pessoa muito bem educada que mantém uma boa relação com os próprios indígenas, mas acaba fazendo uma outra política”, destacou o secretário.

 

Bem Viver e formação política

 

A questão do Bem viver indígena também teve destaque durante o encontro. De acordo com o assessor teológico do Cimi, Paulo Suess, a nossa sociedade está bastante atingida pelo problema da acumulação e da aceleração. "Este é um ponto que vai de encontro ao que os povos indígenas pregam em relação ao Bem Viver", destacou.

 

Além das análises de Bem Viver apregoadas e praticadas pelos povos indígenas, numa cultura de harmonia e respeito com a natureza, o conselho do Cimi também analisou a importância da formação política da entidade. Par Saulo Feitosa, secretário adjunto do Cimi, esta formação é o forte da organização e deve continuar como diferencial em relação às outras que também trabalham com povos indígenas.

 

Mobilizações

 

Os conselheiros ainda avaliaram positivamente as mobilizações indígenas realizadas mês passado, como o Acampamento Nós existimos: terra e vida para os caçadores e coletores Awá-Guajá”. O evento aconteceu entre os dias 1º e 3 de agosto na cidade maranhense de Zé Doca. Durante o encontro, aonde também participaram represetantes dos povos Guajajara e Kaapor, os indígenas denunciaram as invasões de terras indígenas no país, seja pelo agronegócio, pelos grandes produtores de soja e cana, seja por mineradores ilegais.

 

O "Acampamento em Defesa do Xingu, contra Belo Monte", realizado na cidade de Altamira (PA), entre os dias 9 e 12 de agosto, também trouxe esperança e força ao movimento indígena e sua luta pela garantia de direitos constitucionais, como o acesso à terra, saúde e educação. No evento, diversas lideranças indígenas e represetantes de ribeirinhos, pescadores e agricultores reforçaram o apoio à luta contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte.

 

Por fim, os conselheiros analisaram os encaminhamentos resultantes do 7° Acampamento Terra Livre, que este ano de maneira excepcional aconteceu em Campo Grande (MS). A transferência do encontro para o estado foi uma maneira de prestar solidariedade aos povos indígenas da região, que vivem em condições desumanas, muitas vezes à beira de estradas.

Notas do Cimi

Nota das Pastorais do Campo: Por Direitos e Democracia, a Luta é Todo o Dia!

A Articulação das Pastorais Sociais do Campo manifesta apoio e adesão à Greve Geral e às manifestações de 30 de junho, contra as Reformas Trabalhista e Previdenciária e pela realização de eleições...

Nota do Conselho do Cimi: Vivemos um contexto onde tenta-se impor um regime de exceção

"Crescem dramaticamente as violências praticadas por ruralistas e madeireiros contra comunidades e lideranças empenhadas na defesa de seus territórios", diz trecho da nota

Fim da Reforma Agrária e grilagem de terras legalizadas na Amazônia

NOTA PÚBLICA Na noite do dia 31 de maio, o plenário do Senado aprovou a regularização fundiária e de alterações estruturais em legislações sobre terra rural e solo urbano,favorecendo interesses...

Relatório da CPI do Cimi no MS é arquivado, mas ruralistas o desejam incluso na CPI da Funai/Incra

Nota Pública: A CPI criada e conduzida por parlamentares ruralistas invadiu sem quaisquer indícios de irregularidades a vida institucional do Cimi, de membros e colaboradores da organização

Semana dos Povos Indígenas: Territórios e biomas como expressões de luta e vida

Garantir os territórios tradicionais a estas populações é a face de uma luta contra toda uma ordem econômica e política geradora de misérias, desigualdades, esbulhos e genocídio

Total de Resultados: 144

Página atual: 1 de 29

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv