Português English

Cimi e Caritas de Tefé (AM) analisam difícil conjuntura para povos indígenas

Inserido por: Administrador em 13/07/2017.
Fonte da notícia: Cimi Norte I


Foto: J. Rosha / Cimi Norte I

Por Cimi Tefé

Muito embora o cenário brasileiro seja de descaso, violência e desrespeito aos povos indígenas, há muita força, resistência e esperança na luta em defesa de seus direitos. Em 2016, a análise da conjuntura indígena concluía que a situação não era nada animadora. Mudanças na legislação deixaram os povos desprotegidos e expostos à ação de invasores, que têm como alvo as terras e seus recursos naturais. Desassistidas, as comunidades ficam vulneráveis às violações de seus direitos e ao saqueamento de seus territórios. Na região do médio rio Solimões, as violações apontadas pelos indígenas são a exploração da madeira, caça, pesca, pecuária e mineração, tanto em áreas demarcadas quanto fora delas, e a ausência ou descaso de políticas públicas específicas.

Passado um ano dessa crítica, a situação se agravou. O enfraquecimento dos órgãos de fiscalização e segurança e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da FUNAI e INCRA feita pela bancada ruralista, concluída em maio de 2017, vêm permitindo ainda mais ataques e violências. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, no primeiro semestre de 2017 foram mais de 40 mortes em conflitos no campo. Para Dom Murilo Krieger, vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), "desde que a CPI começou a funcionar, aqueles que quiseram ocupar mais terras utilizaram mais violência para isso". O religioso comenta que a CPI “só deu voz para quem era contra os indígenas, não sentenciou fazendeiros. Eles querem mostrar que os índios não têm direitos e que suas terras podem virar fazendas".


Em Japurá (AM) indígenas protestam em frente à Prefeitura e exigem respeito e direitos. Foto: Ed Bezerra

Essa tendência aparece também no Poder Judiciário. Recentemente, o Tribunal Regional Federal da 4º região anulou três portarias do Ministro da Justiça que havia declarado posse tradicional das terras do povo Guarani, em Santa Catarina. Essa atitude remete a uma das intenções da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215 que, entre outras ameaças, institui o marco temporal para o reconhecimento da ocupação tradicional indígena. Com ele, só poderiam ser consideradas terras tradicionais aquelas que estivessem sob posse dos indígenas na data de 5 de outubro de 1988, data da Constituição Federal, sem considerar a expulsão de grupos indígenas de suas terras tradicionais por conflitos fundiários ou por ações da ditadura militar. Com a aprovação da PEC e a instituição do marco temporal, virão mais ataques ao legítimo direito dos indígenas ao território.

Leia também:
Não há nenhum fazendeiro indiciado na CPI. Somente pessoas que lutam pela vida dos povos indígenas”, afirma dom Leonardo Steiner, da CNBB
Nota Pública do Cimi sobre a Aprovação do Relatório da CPI da Funai/Incra


Sem terra demarcada, as populações indígenas ficam também sem políticas públicas específicas. Saúde e educação principalmente, pois os poderes públicos e muitos de seus servidores, além de não reconhecer o direito, atendem os indígenas com discriminação e racismo. Contudo, a esperança e a resistência não esmorecem. O documento escrito no Acampamento Terra Livre, realizado em abril em Brasília, traduz o sentimento de luta dos povos indígenas brasileiros, em especial, da região do médio rio Solimões: “Reafirmamos que não admitiremos as violências, retrocessos e ameaças perpetrados pelo Estado brasileiro e pelas oligarquias econômicas contra nossas vidas e nossos direitos. Conclamamos todos a se unirem à luta dos povos originários pela defesa dos territórios tradicionais e da mãe natureza, pelo bem-estar de todas as formas de vida”.

Com a análise, conclui-se o primeiro ano do projeto “Garantindo a defesa de direitos e a cidadania dos povos indígenas do médio rio Solimões e afluentes", realizado pela Cáritas de Tefé e Cimi Tefé, e apoiado pela Agência Católica para o Desenvolvimento Internacional, sediada no Reino Unido, e pela União Europeia.


AM

Indígenas do Médio Rio Solimões (AM) cobram participação nas elaborações de políticas públicas

Indígenas do Médio Rio Solimões (AM) estiveram em Brasília na última semana para apresentar reivindicações junto a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Secretaria de Educação Continuada,...

Delegação indígena do Médio Solimões realiza incidência política na Sesai para denunciar violações

Denúncias vão desde a ausência de postos de saúde nas aldeias e falta de transporte para encaminhar os pacientes a hospitais passando por episódios de desrespeito e discriminação

Indígenas ficam sem atendimento de saúde por falta do Rani

O Rani é um documento administrativo que deve ser fornecido pela Funai, conforme previsto pela Lei nº 6.001 de 19 de dezembro de 1973 (Estatuto do Índio)

Crise na Venezuela: Dos 500 índios Warao refugiados metade vive embaixo de viadutos em Manaus

Crianças tem doenças como escabiose, pneumonia e desnutrição. Governo estadual quer transferir os migrantes para zona leste da cidade

Em defesa dos povos indígenas isolados do Brasil e Peru contra a abertura da rodovia Puerto Esperanza

Nota do Cimi: A estrada, caso construída, trará graves impactos socioambientais sobre os povos indígenas e seus territórios situados em ambos os lados da fronteira

Total de Resultados: 157

Página atual: 1 de 32

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv