Português English

CNBB, OAB e Conselho de Economia divulgam nota por uma Previdência justa e ética

Inserido por: Administrador em 19/04/2017.
Fonte da notícia: Assessorias de Comunicação Cimi


Indígenas do povo Kaingang (RS) em protesto contra
Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016. Foto: Alvandir Kaingang

Em nota divulgada hoje (19), entidades demostram preocupação com as medidas da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016. “Nenhuma reforma que afete direitos básicos da população pode ser formulada, sem a devida discussão com o conjunto da sociedade e suas organizações", afirmam Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Conselho Federal de Economia (Cofecon).

O texto ressalta o caráter empresarial das medidas propostas pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA), que desconsideram as necessidades da população em detrimento a interesse de empresários. A nota conjunta observa que essas são medidas opostas as necessidades do país, de retomada do crescimento econômico e da geração de emprego.

Para as entidades, "valores éticos, sociais e solidários" precisam serem levados em conta na reforma previdenciária, que deve, segundo a nota, garantir a proteção a população pobre, a idosos, trabalhadores rurais, acidentados e enfermos. Segundo parecer produzido pela Assessoria Jurídica do Cimi, as mudanças propostas pela PEC 287 são inconstitucionais.

Leia a nota das entidades na íntegra:

POR UMA PREVIDÊNCIA SOCIAL JUSTA E ÉTICA

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, a Ordem dos Advogados do Brasil-OAB e o Conselho Federal de Economia-COFECON, conscientes da importância da Previdência Social para o povo brasileiro, e preocupados com a proposta de reforma encaminhada pelo Executivo ao Congresso Nacional, vêm, conjuntamente, reiterar sua posição sobre a Reforma da Previdência-PEC 287/2016.

Nenhuma reforma que afete direitos básicos da população pode ser formulada, sem a devida discussão com o conjunto da sociedade e suas organizações. A Reforma da Previdência não pode ser aprovada apressadamente, nem pode colocar os interesses do mercado financeiro e as razões de ordem econômica acima das necessidades da população. Os valores ético-sociais e solidários são imprescindíveis na busca de solução para a Previdência.

As mudanças nas regras da Seguridade Social devem garantir a proteção aos vulneráveis, idosos, titulares do Benefício de Prestação Continuada-BPC, enfermos, acidentados, trabalhadores de baixa renda e trabalhadores rurais. Atenção especial merecem as mulheres, particularmente na proteção à maternidade.

Sem números seguros e sem a compreensão clara da gestão da Previdência, torna-se impossível uma discussão objetiva e honesta, motivo pelo qual urge uma auditoria na Previdência Social. Não é correto, para justificar a proposta, comparar a situação do Brasil com a dos países ricos, pois existem diferenças profundas em termos de expectativa de vida, níveis de formalização do mercado de trabalho, de escolaridade e de salários. No Brasil, 2/3 dos aposentados e pensionistas recebem o benefício mínimo, ou seja, um salário mínimo e 52% não conseguem completar 25 anos de contribuição.

A PEC 287 vai na direção oposta à necessária retomada do crescimento econômico e da geração de empregos, na medida em que agrava a desigualdade social e provoca forte impacto negativo nas economias dos milhares de pequenos municípios do Brasil.

É necessário que a sociedade brasileira esteja atenta às ameaças de retrocesso. A ampla mobilização contra a retirada de direitos, arduamente conquistados, perceptível nas últimas manifestações, tem forçado o governo a adotar mudanças. Possíveis ajustes necessitam de debate com a sociedade para eliminar o caráter reducionista de direitos.

As entidades infra firmadas convidam seus membros e as organizações da sociedade civil ao amplo debate sobre a Reforma da Previdência e sobre quaisquer outras que visem alterar direitos conquistados, como a Reforma Trabalhista. Uma sociedade justa e fraterna se fortalece, a partir do cumprimento do dever cívico de cada cidadão, em busca do aperfeiçoamento das instituições democráticas.

Brasília, 19 de abril de 2017.
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB
Ordem dos Advogados do Brasil-OAB
Conselho Federal de Economia-COFECON

Notícias

Violações e conflitos no campo batem triste recorde, segundo relatório da CPT

Em 2016 foram registrados 1295 casos de conflitos por terra no Brasil, sendo 61 assassinatos, crescimento de 22% comparado ao número de homicídios do ano anterior. Os dadossão do relatório Conflitos...

Povos indígenas no cinema: lançamento de documentários na Unila

Atividade integra a Semana dos Povos Indígenas 2017 e é organizada por Cimi, estudantes e professores da Unioeste e Unila e Jornada Universitária pela reforma Agrária (JURA)

Indígenas e beiradeiros impedem audiência sobre leilão da floresta em Itaituba (PA)

Munduruku, indígenas de Pimental e beiradeiros impediram audiência que trataria de concessão de florestas à exploração madeireira nesta quarta (5). Povos indígenas e comunidades tradicionais não foram...

Nossas lutas, nossos mártires

Vicente Cañas não era um santo clássico. Tem que acabar com essa civilização (da desigualdade), repetia.Sentimos sua presença no seminário que fez memória aos 30 anos de seu assassinato

The State of Brazil is on trial in International Court for human rights violations against the Xukuru people

It is the first time that Brazil is on trial for violating the rights of indigenous people

Total de Resultados: 145

Página atual: 1 de 29

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv