Português English

Belo Monte: Justiça determina reintegração de posse do canteiro. Força policial pode entrar a qualquer momento

Inserido por: Administrador em 09/05/2013.
Fonte da notícia: Assessoria de comunicação / Cimi

Ruy Sposati,

de Altamira (PA)


O Tribunal Regional Federal da 1a. Região (TRF1) deferiu, às 10 e 40 da noite de quarta-feira, 8, a reintegração de posse do canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte, na região de Altamira, Pará. Foi autorizado o uso de força policial. Cerca de 160 indígenas de seis etnias ocupam a barragem há uma semana, reivindicando pacificamente a consulta prévia e a suspensão de estudos e obras de barragens que afetam suas terras.


A ordem de reintegração permite a retirada forçada dos indígenas para evacuar o canteiro, e deixa a critério da força policial admitir ou não a entrada de jornalistas, advogados e observadores externos. Segundo operários, o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) já estaria mobilizando os trabalhadores para retornarem nos turnos da madrugada e da manhã no sítio Belo Monte, ocupado por indígenas.


A decisão foi tomada pela desembargadora Selene Almeida, do TRF1, e despachada pelo juíz Sérgio Wolney Guedes, de Altamira. O despacho também indeferiu os pedidos do Ministério Público Federal (MPF) do Pará que fosse permitida a presença de jornalistas e advogados na ocupação. O órgão também pedia que fosse permitida a entrada de produtos, alimentos e utensílios essenciais à subsistência, assim como o livre acesso dos profissionais de saúde do Departamento de Saúde Especial Indígena (DSEI).


O Ministério Público Federal ainda não foi notificado da decisão, e afirma ter acordado com a polícia de que acompanhará a reintegração. Os indígenas temem que a desocupação aconteça ainda durante a madrugada de quinta, 9.


PA

Munduruku ocupam Funai exigindo audiência e demissão de político nomeado para coordenação

Indígenas denunciam nomeações políticas e criticam Ibama por concessão de licença à hidrelétrica de São Manoel

“Tudo sai da floresta”: vivência reforça autonomia e saberes tradicionais na Terra Indígena Maró

Terceira vivência de notório saber e Nheengatu na TI Maró, no baixo Tapajós, reuniu mais de 130 indígenas de diversos povos para trocar saberes e conectar educação com defesa do território

Tribunal Regional Federal da 1ª Região paralisa mina da Vale no Pará por danos a índios Xikrin e Kayapó

Decisão da 5ª Turma ordena a paralisação imediata das atividades da Onça Puma. Mineradora deve estimadamente R$ 50 milhões em compensação aos índios

MPF questiona órgão do Ministério da Saúde sobre atendimento à saúde indígena em Oriximiná (PA)

Entre diversas outras irregularidades, pacientes e acompanhantes vivem em barracos de lona improvisados, com riscos de acidentes e em condições nocivas à saúde.

Ka'apor e Gamela divulgam cartas em apoio aos Munduruku

Povos do Maranhão manifestam apoio aos Munduruku, que ocuparam o canteiro de obras da usina hidrelétrica (UHE) São Manoel, no Pará

Total de Resultados: 567

Página atual: 1 de 114

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv