Português English

Mobilização Munduruku segue para Alta Floresta (MT)

Inserido por: Administrador em 20/07/2017.
Fonte da notícia: Fórum Teles Pires


 Fotos: Caio Mota / Juliana Pesqueira

Alta Floresta - A ocupação do canteiro de obras da Usina Hidrelétrica São Manoel feita pelo povo Munduruku e liderada pelas mulheres da etnia encerrou na noite da última quarta-feira, 19, após reunião realizada entre os indígenas, a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Ministério Público Federal (MPF) e oa representantes das empresas responsáveis pelas Usinas Hidrelétricas de São Manoel e Teles Pires.

As pautas de reivindicações dos indígenas foram entregues e os cerca de 200 Munduruku decidiram sair da ocupação e seguir a mobilização até a cidade de Alta Floresta (MT), onde as urnas funerárias dos seus ancestrais estão guardadas.

Confira na íntegra o texto das reivindicações aqui.

Há anos os indígenas reivindicam que as urnas sejam devolvidas ao povo Munduruku. Estes artefatos estavam no local sagrado da etnia, a cachoeira de ‘Sete Quedas’, e foram violados pela Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) durante a construção da UHE Teles Pires.

Doze urnas funerárias estão sob a posse da CHTP desde 2014.

A procuradoria da Republica em Mato Grosso, em 2015, recomendou que as urnas deveriam ser mantidas pela CHTP até que as lideranças indígenas junto da FUNAI e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) definam um local para elas serem guardadas. Desde fevereiro de 2017, as urnas funerárias do povo Munduruku estão no Museu Histórico de Alta Floresta (MT), local para onde os indígenas que estavam no canteiro de obras da UHE Teles Pires decidiram ir.

“A ocupação acaba aqui, mas a luta continua. A gente não ta saindo porque tinha que sair ou porque a empresa mandou não. É porque a gente está indo atrás dessas urnas”, afirmou Kabaiwun Munduruku, uma das lideranças do movimento Ipereg Ayu.

Mobilização

Há dois meses as mulheres Munduruku iniciaram uma mobilização na aldeia Santa Cruz que reuniu lideranças, caciques, pajés e crianças para reivindicar, entre outras coisas, o respeito aos locais sagrados do povo Munduruku e aos direitos indígenas que vem sendo violados pelas construções de Usinas Hidrelétricas na bacia do Tapajós.

A mobilização chegou ao canteiro de obras da UHE São Manoel na madrugada do dia 16. Durante os 4 dias de ocupação as obras permaneceram paradas.

A UHE São Manoel está em fase final de construção e o processo para ter a Licença de Operação está em análise no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA).

Veja também:
Povo Munduruku reivindica direitos em hidrelétrica.
Mulheres pautam ocupação em hidrelétrica



Notícias

Por oito a zero, STF reafirma direitos originários dos povos indígenas

Importante vitória para povos indígenas, decisão desta quarta (16) reforça direitos constitucionais e enfraquece tese ruralista do marco temporal

Hostilidades sofridas pelo povo Guarani e Kaiowá motivaram confrontos com seguranças armados

Os Guarani e Kaiowá exigiam o esvaziamento da sede da fazenda, incidente na terra indígena e onde já ocupam 120 hectares, além da saída dos seguranças armados

Ainda é 1500, por Elaine Tavares

A cena é tocante. Na beira do asfalto, um grupo de indígenas olha, entre estupefato e triste, outro grupo de gente, branca, postado em cima da passarela. Os brancos estendem faixas, denunciando uma...

Parceria entre Cimi e Unila conclui curso em Histórias e Culturas Indígenas

Após 18 dias de trocas e discussões, concluiu hoje (28) a segunda edição do curso de extensão em Histórias e Culturas Indígenas, uma parceria do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) com a...

Dez anos após declaração internacional, indígenas sofrem

Em seu décimo aniversário, a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas enfrenta sérios obstáculos para proteger populações tradicionais em todo o mundo.

Total de Resultados: 205

Página atual: 1 de 41

123456 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv