Português English

Gasto com territórios quilombolas despenca para 25% do valor de 2014

Inserido por: Administrador em 11/07/2017.
Fonte da notícia: De Olho nos Ruralistas


Foto: Agência Brasil

Não foi só a CPI do Funai e do Incra que optou por minar as duas instituições. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) estão entre as principais vítimas de cortes orçamentários do governo Temer, informou neste sábado a Folha: “Cortes no Orçamento atingem áreas sociais do governo“.

Como exemplo de redução no Incra, o jornal destaca o valor atual para indenização de imóveis em territórios quilombolas, R$ 3,5 milhões, em contraposição ao valor gasto em 2014, R$ 13,2 milhões. A cifra de 2017 é quase quatro vezes menor que a de três anos atrás.

“O Incra está paralisado e os conflitos nesses territórios podem se agravar”, diz ao jornal o presidente da Coordenação Nacional de Quilombolas (Conaq), Denildo Rodrigues de Moraes.

No caso da Funai, a Folha mostra que o valor gasto na proteção de índios isolados em 2014, por meio de fiscalização, era de R$ 6,5 milhões. Três anos depois, esse valor despencou para R$ 1,9 milhão – três vezes menos. A reportagem conta que a fundação reduziu as expedições para checar a segurança dos indígenas.

Ex-presidente da Funai, Toninho Costa disse na sexta-feira que, sem aporte financeiro na proteção dos índios isolados, as consequências podem ser trágicas.

A Folha mostra também que a verba para fiscalização de uso e da segurança e de barragens, na Agência Nacional das Águas, caiu de R$ 2,6 milhões para R$ 375 mil. Um valor sete vezes menor, portanto – no país que viu, há um ano e meio, o Rio Doce ser tomado pela lama da Samarco, em Mariana (MG).

O jornal paulista destacou quatro repórteres para o levantamento desses dados, mas publicou a reportagem no pé da página A19, abaixo de notícia sobre volta da deflação.

No Brasil

“Seguimos mobilizados até que o governo anule a portaria que retira nosso direito originário”, afirmam os Guarani

Indígenas ocuparam a secretaria da Presidência da República, em São Paulo, e acamparam na entrada do Ministério da Justiça, em Brasília, exigindo a revogação da portaria que anula a demarcação da...

Mapa do território Guarani será lançado em São Paulo

Com lançamento marcado para a próxima terça-feira (29), mapa levantou dados de 1.416 áreas de ocupação em quatro países e aponta população de 280.000 Guarani na América Latina

Cerca de 7 mil indígenas ocuparam ruas e rodovias de 13 estados contra o marco temporal

As ações fizeram parte da campanha Nossa História Não Começa em 1988! #MarcoTemporalNão! em vista de votações de matérias no STF envolvendo a tese do marco temporal

Após vitória, indígenas exigem que Temer respeite decisões do STF e revogue parecer sobre demarcações

Indígenas exigem a revogação do Parecer 2017/01 da AGU, que contraria STF ao obrigar órgãos do Executivo a adotarem os parâmetros do caso Raposa Serra do Sol

“Nós já estamos morrendo através do marco temporal”

No Dia Internacional dos Povos Indígenas, Guarani e Kaiowá entraram a noite com uma grande reza em frente ao STF

Total de Resultados: 651

Página atual: 5 de 131

Início Anterior 12345678910 Próximo Final

Endereço: SDS, Ed. Venâncio III Salas 309/314 - Brasília-DF Cep: 70393-902 - Brasil - Tel: (61) 2106-1650 - Fax: (61) 2106-1651        Twitter - Ciminacional Skype - imprensa_cimi
desenvolvimento: wv